Grupo de Estudos em Semiologia e Propedêutica

Apgar

“Está tudo bem com meu filho?”. Essa pergunta foi que Virgina Apgar (1909-1974) buscou responder à todas as mães. É também o título de seu livro publicado em 1972. Apgar quando se formou em medicina, na renomada faculdade de Columbia, Nova York, em quarto lugar numa turma de 81 homens e 9 mulheres, com apenas 24 anos de idade, já tinha o diploma de Zoologia. Enfrentou dificuldades financeiras, chegando a ser catadora de gatos.

Queria ser cirurgiã, mas foi “convidada” a optar pela anestesia. Na época, apenas 4% dos médicos americanos eram mulheres e 11% delas administravam anestesia, não considerada por alguns uma especialidade médica. Mas Apgar era determinada e, aos 28 anos de idade, se tornou a primeira professora de anestesia e chefe de serviço do Columbia Presbyterian Hospital.

Na época não se tinha uma forma uniforme de descrever os problemas que ocorriam com os recém-nascidos, o que levou Apgar a estudar o desfecho de milhares partos, naturais ou cesariana. Classificou as condições clínicas dessas crianças pela Atividade (movimentação dos membros), Pulsação (coração forte), Gesticulação (reflexos ao estímulo), Aparência (rosada) e Respiração (choro) com uma pontuação de 0, 1 ou 2. Os bebês cuja soma dessas cinco condições era abaixo de 3 tinham problemas graves, e os com escore abaixo de 7 requeriam cuidados especiais.

Sua proposta pioneira foi publicada em 1953, sendo adotada em todo o mundo, contribuindo para criar rotinas de atendimento aos pequeninos. Virginia adorou o acrônimo “APGAR” (Activity, Pulse, Grimace, Appearance, Respiration) sugerido em 1961 por um aluno e que foi traduzido em diversas línguas. Muitos acabaram se esquecendo que Apgar é o sobrenome de Virginia, uma mulher que tocava violino e construiu seu próprio instrumento. Participou de três pequenas orquestras, incluindo a “Sociedade Acústica Catgut” – em homenagem ao fio usado em cirurgia. Cuidava de um orquidário, gostava de beisebol, pescar, colecionar selos e ter aulas de pilotagem. Fez mestrado em saúde pública e posteriormente foi professora de pediatria e genética. Apgar não cozinhava bem e dizia que não se casou porque não encontrara um homem que soubesse cozinhar melhor que ela.

A partir da década de 1980, vários estudos afirmaram que seu escore era falho em prever o futuro completo das crianças e que deveria ser substituído por testes mais sofisticados e custosos. A vida seguiu e recentes análises de milhões de recém-nascidos, comparando a proposta de Apgar com testes invasivos, confirmam a validade de seu método simples de avaliar o risco imediato de recém-nascidos idealizado há 65 anos por essa mulher fantástica.

https://oglobo.globo.com/sociedade/artigo-virginia-apgar-uma-mulher-fantastica-22641462
Publicado no O Globo – Sociedade – 1/05/2018
Virginia Apgar, uma mulher fantástica
Alfredo Guarischi, médico